fbpx

FACULDADE EBRAMECNovo Código de Doenças da OMS inclui capítulo para Medicina Chinesa

  • 11 2662-1713
  •  
  • 11 97504-9170

Novo Código Internacional de Doenças da OMS inclui capítulo para Medicina Chinesa

Novo Código Internacional de Doenças da OMS inclui capítulo para Medicina Chinesa

WHO-Logo_PT-300x83 Novo Código Internacional de Doenças da OMS inclui capítulo para Medicina Chinesa

A Organização Mundial da Saúde (OMS) publica de tempos em tempos o CID, sigla para Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde, também muito conhecido como Código Internacional de Doenças, que apresenta um código específico para uma ampla variedade de doenças, sinais, sintomas, achados anormais, denúncias, circunstâncias sociais e causas externas de danos. E este ano incluiu Medicina Chinesa.

O CID é amplamente empregado em todo o mundo por diferentes profissionais da área da Saúde para transmissão e troca de informações sobre os pacientes, assim como para a coleta de dados oficiais e para questões de reembolso e planos de saúde, por exemplo.

A mais atual versão desta codificação é o CID-11, que teve uma primeira versão lançada em 18 de junho de 2018 para permitir que os Estados Membros se preparassem para a implementação, incluindo a tradução da CID para suas línguas nacionais. O CID-11 foi submetido à 144ª Reunião do Conselho Executivo em janeiro de 2019 e será apresentado na 72ª Assembleia Mundial da Saúde em maio de 2019 e, após o endosso, os Estados Membros começarão a relatar usando a CID-11 em 1º de janeiro de 2022. Esta versão mais atual estará disponível em formato eletrônico (https://icd.who.int/) e terá 7 novos capítulos.

É muito interessante saber que nesta 11ª edição haverá, pela primeira vez, um capítulo complementar dedicado às condições das medicinas tradicionais, especialmente em relação à Medicina Chinesa.

De acordo com informações oficiais da OMS, este capítulo complementar é uma subclassificação para uso opcional. Este capítulo não se destina ao relato de mortalidade. A codificação deve sempre incluir também uma categoria dos capítulos 1-24 do ICD.

Seguem abaixo informações oficiais da OMS traduzidas pelo prof. Leonardo Visciglia, Coordenador do Departamento de EaD da Faculdade EBRAMEC.

Este capítulo suplementar refere-se a distúrbios e padrões que se originaram na Medicina Chinesa e são comumente usados na China, Japão, Coréia, e em outros lugares ao redor do mundo. Esta lista representa um conjunto de União de condições de medicina tradicional harmonizada das classificações chinesas, japonesas e coreanas. Para uma lista alargada de condições de medicina tradicional, consulte a classificação internacional da medicina tradicional (ICTM).

Definições

Um distúrbio na medicina tradicional, desordem (TM1) [1], refere-se a um conjunto de disfunções em qualquer um dos sistemas corporais que se apresenta com manifestações associadas, ou seja, um único ou um grupo de sinais especificados, sintomas ou achados. Cada distúrbio (TM1) pode ser definido por sua sintomatologia, etiologia, curso e desfecho, ou resposta ao tratamento.

  1. sintomatologia: sinais, sintomas ou achados únicos por métodos de diagnóstico de medicina tradicional, incluindo inspeção, como exame de língua, interrogatório, exame de audição e olfação, palpação, como a tomada de pulso, abdominal exame e outros métodos.

  2. TM etiologia: o estilo explicativo da medicina tradicional subjacente, como fatores ambientais (historicamente conhecidos em traduções de TM como as contrações externas), fatores emocionais (historicamente conhecidos em traduções de TM como as sete emoções), ou outros fatores patológicos, processos e produtos.

  3. Curso e resultado: um trajeto original do desenvolvimento da desordem (TM1) sobre o tempo.

  4. Resposta do tratamento: resposta conhecida às intervenções da medicina tradicional. Na definição de uma desordem (TM1), a sintomatologia e a etiologia são exigidas. O curso e o resultado, e a resposta do tratamento são opcionais.

Um padrão na medicina tradicional, padrão (TM1), refere-se à apresentação clínica completa do paciente em um determinado momento no tempo, incluindo todos os achados. Os achados podem incluir sintomatologia ou constituição do paciente, entre outros.

  1. sintomatologia (como acima).

  2. Constituição: as características de um indivíduo, incluindo características estruturais e funcionais, temperamento, capacidade de se adaptar às mudanças ambientais, ou susceptibilidade a várias condições de saúde. Isto é relativamente estável, sendo em parte geneticamente determinado enquanto parcialmente adquirido.

[1]: ‘ TM1 ‘ refere-se às condições da medicina tradicional-módulo I. A designação (TM1) é usada durante todo este capítulo para cada categoria diagnóstica da medicina tradicional a fim ser distinguível claramente dos conceitos convencionais da medicina.

 

Nós da Faculdade EBRAMEC acreditamos que este possa ser mais um passo muito importante para a promoção da Medicina Chinesa por todo o mundo, além de enfatizar novamente o reconhecimento direto da Organização Mundial da Saúde em relação à Medicina Chinesa.

 

 

Texto:
Dr. Reginaldo Filho, PhD
Diretor Geral da Faculdade EBRAMEC