fbpx

FACULDADE EBRAMECCuriosidades da China - Hou Ji, o Mestre Agrônomo - Homenagem ao Dia do Agrônomo - FACULDADE EBRAMEC

  • 11 2662-1713
  •  
  • 11 97504-9170

Curiosidades da China – Hou Ji, o Mestre Agrônomo – Homenagem ao Dia do Agrônomo

Curiosidades da China – Hou Ji, o Mestre Agrônomo – Homenagem ao Dia do Agrônomo

hou_ji-249x300 Curiosidades da China - Hou Ji, o Mestre Agrônomo - Homenagem ao Dia do Agrônomo

Hoje é dia do Agronomo (13/09) por conta disso a EBRAMEC faz uma pequena homenagem contando uma das histórias da Mitologia Chinesa, o qual havia um agrônomo muito prestigiado chamado Hou Ji. Confira abaixo:

 

 

 

 HOU JI

O MESTRE AGRÔNOMO

 

  Era uma vez uma mulher chamada Jiang Yuan, cuja bondade e empenho no trabalho eram do conhecimento geral, mas, tendo já feito 400 anos de idade, a pobre mulher passava os dias cabisbaixa e triste por não ter sequer um filho a que chamasse de seu.

Num ano, quando as andorinhas chegaram anunciando a primavera, ela foi, como já era costume, foi rezar no templo do deus celestial, situado nos arredores da cidade, para que este lhe concedesse uma criança. depois de ter depositado pia e respeitosamente as suas ofertas votivas, regressava a mulher à sua casa, quando viu uma grande andorinha que esvoaçava entre a folhagem dos bosques, piando sem cessar, levando atrás uma outra andorinha que imitava tudo o que a maior fazia. Tratava-se de uma andorinha-mãe que estava ensinando a sua cria a voar e a procurar insetos. O carinho da ave-mãe e a alegria do filhote suscitaram a inveja e a admiração de Jiang Yuan e fizeram-na de novo pensar que bom seria se também pudesse ter uma criança.

 

  Prosseguia assim caminhando concentrada em tais pensamentos quando, de súbito, se deu conta de uma pegada tão enorme, que o dedo grande do pé por si só já era tão longo como a altura de um homem E Jiang Yuan sentiu algo de muito estranho estav se passando, mas, como a gigantesca  pegada se encontrava exatamente no centor da estrada obstruindo-lhe a passagem, ela decidiu pisar cuidadosamente no dedo grande a fim de prosseguir seu caminho, mas, mal tinha colocado o seu pé sobre a pegada, sentiu uma pujante força invandir-lhe o corpo. Admirada com o sucedido, mais tarde  Jiang Yuan contou o que tinha se passado aos aldeões, seus conterrâneos. Em breve a notícia corria de boca em boca e veio originar os mais diversos comentários.

 – Uma pegada tão grande como um homem? Isso nunca foi antes visto. Para se deparar com um fenômeno tão grande como esse, certamente ofendeu o deus celestial! – disseram-lhe uns.

– Péssimo agouro. Prepare-se para lhe acontecer uma grande desgraça! – disseram-lhe outros.

Tais e muitas outras funestas opiniões fizeram a pobre mulher tão aterrorizada que já não conseguia mais manter-se calma e sossegada.

 

   Acontecia que, numa aldeia vizinha, vivia um velho que os aldeões consideravam sábio, por dar ensinamentos pertinentes a todos quantos se encontravam num situação embaraçosa. Jiang Yuan decidiu ir visitá-lo, e o velho depois de ouvir o que ela lhe contou sobre a pegada, fecilitou-a, dizendo-lhe:

– A andorinha é um pássaro auspicioso que anuncia a chegada da primavera. A visão da andorinha-mãe ensinando a andorinha-macho deve ser interpretada como um bom augúrio. O deus celestial não poderia castigar uma mulher tão bondosa como tu. A pegada não foi mais do que um sinal de um milagre. Estou seguro que daqui a pouco tempo irás dar à  luz um anafado bebê.

 

   O tempo foge… e num abrir e fechar de olhos as andorinhas voltaram a partir para o sul … e, certo dia, tal como o velho tinha previsto, a mulher Jiang Yuan teve um menino. A estanha notícia provocou opiniões negativas entre a população local.

– O menino é um monstro! O parto foi fácil demais, sem quaisquer dores nem sofrimentos – diziam uns.

– Essa criança será a origem da nossa desgraça! Devemos acabar com ele quanto mais cedo melhor – diziam outros.

Assim, não obstante as súplicas de Jiang Yuan, um bando de homens entrou-lhe em casa e tirou-lhe, à força, a criança dos braços, não prestando a minima atenção à dor e tristeza que ela experimentava como mãe.

 

  Sabendo que todas as noites um rebanho de ovelhas e uma manada de bois passavam por uma estreita vereda, os homens decidiram deixar a criança atravessada no carreiro, pensando que o gado, ao passar, o espezinharia provocando-lhe a morte.

O Sol ia-se pondo. Os bois e as ovelhas que se tinham dispersado pelas colinas começaram a convergir para a vereda, e em breve partiram, correndo ao longo do carreiro em diração ao curral, mas eis que quando os animais, ao depararem-se com o bebê deitado ao chão, estacaram passo. O primeiro boi da manada murgiu e lambeu carinhosamente a face da criança, partindo depois, cuidadosamente contornando-o; a primeira ovelha do rebanho fez a mesma coisa. Todos os amimais seguiram o exemplo dos seus líderes, passando por ambos lados do menino, sem sequer lhe tocarem.

 

  Impressionados com tal prodígio, mas não se resignando com o seu fracasso, os aldeões malévolos decidiram que na madrugada seguinte abandonariam o bebê no seio de uma floresta. Entretanto, tendo nevado abundantemente naquela mesma noite e a temperatura tendo baixado vigorosamente, no dia seguinte a floresta foi invadida por uma multidão de gente que ali foi cortar àrvores à procura de lenha e madeira. como já não fosse então conveniente ali abandonar o bebê, os vilões mudaram de planos, deicidindo deixar a criança no rio que agora  se encontrava gelado.

Um turbilhão de flocos de neve esvoaçava pelos ares. O rio encontrava-se coberto por uma espessa camada de gelo. Fazia-se sentir uma forte aragem frígida. Os homens abandonaram o meninosobre a superfície glacial do rio e partiram. de súbito, como que caídos do céu, apareceram uns pássaros que depois de sobrevoarem a criança, pousaram ao seu redor, cobrindo-a com suas asas abertas e revigorando-a com o calor dos seus corpos. O bebê, saindo da letargia gelada em que se encontrava, começou então a chorar tão intensamente, que em breve muitas pessoas se aperceberam do que lhe tinha acontecido.

 

  Ao ouvi-lo chorar daquele modo, o coração de mãe de Jiang Yuan não pode mais conter sua tristeza, e a mulher, correndo todos os riscos, foi buscar o seu filho. Tendo-se malogrado todas as tentativas que tinham feito para matarem a criança, os aldeões decidiram então desistir da sua ideia original e permitir a sua sobrevivência, optando antes, por desprezá-lo completamente e, como o menino tinha sido abandonado várias vezes, puseram-lhe a alcunha de ” rapaz abandonado “.

Graças ao cuidados extremosos da mãe, a criança tornou-se um belo e forte rapaz, e tal como sua mãe, o filho era um empenhado trabalhador. Como passatempo divertia-se a recolher sementes que se apressava em ir plantar, curioso em ver como depois cresciam, espigavam e amadureciam. Aconteceu que os grãos de milho que cultivou deram plantas maiores que as normais, e todos quantos as viram ficaram deslumbrados pelas espigas douradas. E, como desde a antiguidade, o nome genérico para os cereais fosse Ji, a mãe deu ao rapaz o nome de Hou Ji, ou seja: Mestre Agrônomo. Com o passar do tempo e já crescido, Hou Ji comprovou ser um homem dotado de grande inteligência e aplicação.

 

  Na sociedade de então, as populações ainda ignorantes dos rudimentos agrícolas limitavam-se a caçar e a colher ervas selvagens e frutos silvestres de territórios determinados, para saciarem sua fome, migrando para outras regiões, numa luta de sobrevivência, caso a caça rareasse ou houvesse uma escassez de plantas comestíveis. Múltiplas das vezes, os homens enfrentavam longas jornadas numa busca desesperada por alimentos, arriscando as suas vidas, caso encontrassem qualquer fera, ou vendo-se constrangidos a comer certas plantas menos aconelháveis – por vezes venenosas.

Consciente da instabilidade cotidiana da humanidade, Hou Ji prometeu a si próprio fazer todos os esforços que estivessem ao seu alcance para modificar tais condições de vida.

 

  Numa primavera,, Hou Ji prendeu umas lascas de pedra e uns largos ossos bovinos a uns paus de madeira, fabricando assim, umas ferramentas primitivas com as quais ele arou uma boa porção de terreno,  ali semeando grão que tinha especialmente escolhido das plantas silvestres, Depois, de tempos em tempos, Hou Ji regou as suas culturas com água de um rio que ali corria perto e assim, em breve,  o seu terreno tornou-se um campo de verdejante esplendor. Cotidianamente, sem falta, mesmo sob um vento frio, uma chuva torrencial ou um sol escaldante, nada parecia poder impedi-lo de trabalhar, revezando-se sucessivamente no forcado e na monda.

Com a chegada do outono, as douradas espigas de milho muído brilhavam ao sol, grandes como caudas de raposa nas terras cultivadas por Hou Ji. O sorgo vermelho, os feijões verdes e as melancias redondas estavam já maduros. O seu sorgo e os feijões eram muito mais gostosos que os selvagens; as suas melancias bem mais doces que as naturais. Todos os aldeões se encontravam maravilhados pelo êxito de Hou Ji e muitos eram obrigados a dizer-lhe:

– Temos vivido nestas paragens há várias gerações, mas nunca vimos nem provamos nada tão impressionante como o que plantaste. Dize-nos, como fizeste para que tal milagre viesse a acontecer?

 

  Mas Hou Ji limitava-se a levantar os seus braços e a responder com a maior das descontrações:

– O deus celestia deu-nos uma grande variedade de cereais selvagens comestíveis, mas não nos devemos esquecer que também nos deu uma cabeça para pensar; na posse destes dons podemos criar um número sem conta de milagres!

Dos ouvintes presentes, uns ficaram convencidos com as palavras de Hou Ji, mas outros permaneceram duvidosos do que ele lhes dizia, pensando antes que o deus celestial lhe tivesse dado boas sementes, graças às quais,ele tivesse podido obter abundantes colheitas.

 

  Não obstante, a notícia de que Hou Ji tinha obtido boas colheitas rapidamente se propagava aos quatro ventos e, como os cereais se relacionavam estreitamente com a sobrevivência da vida de todos,  muitos vieram pedir ajuda a Hou Ji.

Com todos quantos o abordavam, ele foi bondoso e modesto e de boa vontade, explicou tudo quanto tinha aprendido à custa própria , nomeadamente, como se escolhiam as sementes, qual era o melhor método de arar a terra, quando era tempo da sementeira, como se mondava, e qual era a época de ceifa. Entre os aldeões havia muitos que aceitavam as explicações de Hou Ji e quando seguiam o mesmo método obtinham boas colheitas,

 

  A partir de então, a raça humana empenhou-se em cultivar a terra produtivamente e em desenvolver técnicas agícolas, passando a pertencer ao passado o fato de se perseguirem os animais selvagens exaustivamente, dia e noite, pela montanha afora para os caçar, e de se comerem plantas e frutos silvestres. Com o cultivo dos cereais, a humanidade passou a poder levar uma existência mais sedentária, constrindo habitações mais duradouras, e sólidos armazéns para guardar cereais, e vindo os movimentos migratórios por necessidade de sobrevivência a arear na superfície do planeta. Com o correr dos tempos, informações sobre as importantes contribuições feitas por Hou Ji chegaram aos ouvidos do monarca Yao, este, por respeito aos seus elevados préstimos deu-lhe um título nomeando-o de  ” Mestre Agrônomo ” . No entanto, Hou Ji não deixou de trabalhar no seio do povo que amava, vindo progressivamente a aperfeiçoar novas técnicas agrícolas e a criar novos instrumentos de cultivo, chegando mesmo, mais tarde, a conseguir, conjuntamente com seu filho Tai Xi e o seu sobrinho Chu Jun, vir a domesticar bois selvagens, que consequentemente utilizou no cultivo das terras, diminuindo assim, consideravelmente, a intensidade do trabalho manual.

 

  Passaram-se cem, talvez mesmo duzentos anos … ninguém sabia ao certo qual a idade de Hou Ji quando este faleceu, mas todos traziam reconhecidamente presente na memória sua notáveis contribuições, que tinham trazido tanta prosperidade à vida humana. A fim de lhe manifestarem sua gratidão, todos quantos o conheceram consideravam que sua última morada deveria situar-se num local pitoresco, entre árvores e riachos, e ali passaram a correr em grupos a prestar-lhe homenagem tanto na primavera – quando na natureza desabrochavam as campinas em flor e nas terras irrompiam os rebentos verdejantes – como no outono – , quando terminavam as colheitas e era o tempo da desfolhada. Em sinal do seu eterno respeito e saudade, homens e mulheres, velhos e crianças, ocorriam periodicamente ao túmulo de Hou Ji, cantando, dançando e colocando flores das mais belas, espigas das maiores e melancias das mais maduras.

 

 Fonte: Coleção Novos Caminhos. Mitologia Chinesa (Mitologia Primitiva). Quatro mil anos de história através de lendas e dos mitos chineses. Selação e Apresentação por Antonio Daniel Abreu