FACULDADE EBRAMECOs benefícios dos Florais de Bach - FACULDADE EBRAMEC

  • 11 2662-1713
  •  
  • 11 97504-9170

Os benefícios dos Florais de Bach

Os benefícios dos Florais de Bach

Eles ajudam a equilibrar as emoções e a buscar, junto com outros tratamentos, a cura de forma natural

bach-flowers-1472825_1920 Os benefícios dos Florais de Bach

“Bach só usava as flores que tinham um padrão energético muito elevado”, revela Simone

Os florais de Bach são essências extraídas das flores com poder de transformar emoções e pensamentos negativos. “Esse tipo de tratamento se chama Lei dos Opostos, ou seja, pra cada emoção ou estado mental negativo, como tristeza, insegurança, estresse ou depressão, existe uma essência que traz as virtudes opostas, como alegria de viver, coragem, segurança e tranquilidade”, explica Simone Filkauskas Sequeira, terapeuta de São Paulo. Na prática, o que vai trazer bem-estar é a vibração (energia) da flor em contato com o campo vibracional (energia) da pessoa.

Ao todo, no sistema desenvolvido no século passado pelo médico inglês Edward Bach, há 38 essências que não interagem nem interferem na medicina alopática ou homeopática. Entre elas, há fórmulas para situações específicas, como separação, luto, perdas e mudanças na vida. “Bach só usava as flores que tinham um padrão energético muito elevado”, revela Simone. Daí o sucesso de sua terapia – que não substitui o tratamento médico, mas pode complementá-lo.

Não é remédio!

Cada frasquinho de floral é preparado, em geral, com 7 ml de brandy (conhaque de boa qualidade, que ajuda a conservar a essência floral) e 23 ml de água mineral sem gás. Podem ser usadas, no máximo, sete essências em cada frasco. Depois de pronto, o floral é guardado em vidros de cor âmbar (também para garantir uma melhor conservação). Se o paciente por acaso não puder tomar álcool nem em dose baixíssima, a fórmula também pode ser feita com vinagre de maçã ou glicerina vegetal.

“O floral não é um remédio. Por isso, não vai curar uma gastrite (que deve ser tratada por um médico), mas vai cuidar da causa emocional que fez com que a doença se desenvolvesse”, explica a terapeuta. É por isso que duas pessoas com o mesmo sintoma podem usar florais totalmente diferentes.

Procure um terapeuta!

Gente de todas as idades, animais e plantas podem se beneficiar dessa terapia, que não muda a personalidade, mas faz um ajuste, criando equilíbrio. “Se você não sabe dizer não e se sente explorada, com ajuda dos florais continuará sendo prestativa, mas aprenderá a impor limites para os outros e para si mesma”, revela Simone. Por ser tão natural, é comum pessoas escolherem, por conta própria, as essências que desejam tomar. Segundo ela, isso é um erro. “Esse procedimento compromete a eficácia do tratamento, pois, quando escolhem uma fórmula, elas estão sempre se baseando no desconforto que estão sentindo”, diz. “Mas só um terapeuta pode identificar quais são as causas que devem ser tratadas e o floral mais indicado para isso.” Outra queixa comum é dizer que os florais não funcionam. Isso ocorre porque muita gente não retorna ao terapeuta – por falta de tempo e até pelo custo – e acaba tomando a mesma fórmula por muito tempo. Vale lembrar que o ser humano está sempre em evolução. Por isso, um floral indicado para um problema do passado pode não ser o ideal para o momento atual.

Os florais tratam as emoções

Os florais de Bach foram criados na década de 1930 pelo médico inglês Edward Bach. Ele percebeu que, mais importante do que tratar os sintomas apresentados pelos pacientes, era investigar as causas emocionais que os geravam e tratá-las. Bach costumava dizer: “Não existem doenças, existem pessoas doentes. Tratem os doentes e não as doenças”. Os florais não são remédios e não apresentam efeitos colaterais. Também não estão ligados a crenças ou religiões. Depois de Bach, pessoas de vários locais começaram a pesquisar as flores de seus países e deram origem a outros sistemas. “A exemplo dos florais californianos, do Alasca, dos australianos e dos florais de Minas, entre muitos outros, como os de Saint Germain”, ensina Simone.

Fonte: M de Mulher