fbpx

ESTUDO DA EFICÁCIA DA ASSOCIAÇÃO ENTRE KORYO SOOJI CHIM E MOXIBUSTÃO JAPONESA NO TRATAMENTO DE CATARATA SENIL POR MEIO DA ESTIMULAÇÃO DO KI-MEK D10 COM MOXA OKYU - FACULDADE EBRAMEC

  • 11 2662-1713
  •  
  • 11 97504-9170

Assunto
Acupuntura, Moxibustão, Catarata
2016

ESTUDO DA EFICÁCIA DA ASSOCIAÇÃO ENTRE KORYO SOOJI CHIM E MOXIBUSTÃO JAPONESA NO TRATAMENTO DE CATARATA SENIL POR MEIO DA ESTIMULAÇÃO DO KI-MEK D10 COM MOXA OKYU
RELATO DE CASO

Autor(es) : GEORGIA WINKLER SANTOS
Orientador(es) : Eduardo Vicente Jofre
Co-Orientador(es) : Reginaldo de C. S. Filho

A visão tem um importante significado social, representando um meio de comunicação fundamental para as relações interpessoais e para a atividade profissional. O Brasil detém altas taxas de crescimento da população idosa, o que significa um aumento substancial da prevalência da catarata senil. Atualmente, a cirurgia é a única opção de tratamento existente e, portanto, faz-se necessário o estudo da aplicação de técnicas terapêuticas menos invasivas e mais acessíveis, que sejam capazes de prevenir, estacionar, ou mesmo de retroceder a evolução da catarata senil. Com efeito, a Acupuntura pode ser uma ferramenta terapêutica eficaz, visto que promove a homeostase do organismo por meio da estimulação de pontos específicos, tanto no que se refere às funções orgânicas quanto à relação do corpo com o meio externo. A Acupuntura Coreana da Mão (Koryo Sooji Chim) baseia-se na estimulação de pontos existentes nos micromeridianos das mãos e dedos, os quais correspondem aos meridianos de energia do corpo. Por outro lado, a Moxibustão Japonesa Okyu produz estímulo nos pontos de Acupuntura por meio da queima de pequenos cones moldados com lã de moxa diretamente sobre a pele. Nesse contexto, o principal objetivo do presente trabalho é sugerir a Acupuntura, por meio da associação das técnicas de Koryo Sooji Chim e Moxibustão Japonesa Okyu, como uma alternativa válida para o tratamento da catarata senil, a fim de melhorar a qualidade de vida dos portadores de catarata, bem como evitar a cirurgia e suas possíveis complicações. Este estudo é um ensaio clínico prospectivo sem grupo controle do tipo relato de caso, no qual o paciente recebeu o tratamento proposto na frequência de três vezes por semana, durante cinco semanas. Testes oftalmológicos e aplicação de questionário de avaliação da qualidade de vida relacionada à acuidade visual foram aplicados ao paciente antes e depois do estudo. Como resultado, chegou-se à hipótese diagnóstica de Deficiência de Sangue (Xue) do Fígado (Gan) com Estagnação de Qi do Fígado (Gan) e Deficiência de Qi do Baço (Pi). Os relatos do paciente no decorrer do tratamento foram de leve melhora da acuidade visual. Por outro lado, o parecer do médico oftalmologista foi de que não houve mudança no estadiamento da catarata em ambos os olhos. Já o aspecto geral da qualidade de vida relacionada à acuidade visual teve piora de 4,5%, com destaque para dor ocular, visão geral e visão de cores. Conclui-se, portanto, que a associação entre Koryo Sooji Chim e Moxibustão Japonesa Okyu por meio da estimulação do ki-mek D10 foi capaz de evitar a evolução da catarata senil por três meses em um paciente.